No seguimento da troca de comentários que houve no Blog da Marta, outra pessoa (Anónima) se meteu ao barulho depois da minha segunda resposta à Marta.

Se olham para estes textos todos e pensam com razão: “Epah, isto é muito grande, não tenho paciência para ler.. ainda por cima vindo de uns desconhecidos que pensam que sabem” eu contraponho que interessa REALMENTE ler e comentar. É um assunto excelente e muito interessante… fica aqui o apelo, deixem a preguiça.

Cá vamos nós, eu respondi ao último comentário da Marta assim (não se esqueçam de ler o início da discussão no post anterior):

De Diogo Pereira a 11 de Julho de 2007 às 00:49

Sobre a luta entre a ciência e a religião.. aconselho-te vivamente a ler “Anjos e Demónios” de Dan Brown. Pelo que vejo interessas-te por estes assuntos tal como eu, e por isso adorei o livro, principalmente o início que faz um grande resumo daquilo que é a rivalidade entre a ciência e a religião. Rivalidade essa que já dura umas grandes centenas de anos.

Bem.. a ciência realmente o que diz, é que existe explicação EXACTA para tudo. Por, para a ciência, a nossas reacções são exactas de acordo com o nosso código genético (seja o que for), e nisso não posso concordar.

Como dizes, os nossos falhanços ou vitórias são feitos por nós mesmos. Será mesmo? O factor sorte, o factor azar.. como nasceram? Se tudo é exacto, como é possível que haver uma probabilidade? Uma coisa que é provável nunca é exacta.. porque é isso mesmo, PROVÁVEL. Bem a ciência tem muitas contradições.. mas isso é normal acontecer em qualquer área.

Se pesquisares um pouco, vais ver que os maiores cientistas do mundo, não só foram cientistas como religiosos.. acreditavam que a ciência era um complemento da religião e vice-versa. Mais uma vez o “Anjos e Demónios” conta isso e muito bem (Vais adorar ler, se ainda não leste claro :P). Ou seja, acredito piamente que chegará a uma altura em que é impossível haver mais respostas da parte da ciência.. esta é tão limitada como exacta! A religião é tão boa como mentirosa.. faz-nos acreditar que existe alguém superior a nós mas ao mesmo tempo dispara mentiras atrás de mentiras comprovadas pela ciência.
Quantas vezes já nos aconteceu ouvir coisas do tipo: “Doente recuperou de uma doença que os médicos davam como certa como terminal. Médicos não encontram resposta para o sucedido”.

Tendo isto, apenas conseguimos tirar uma conclusão.. tanto a religião como a ciência ainda têm muito para aprender. E a nós resta-nos viver, tendo fé e ao mesmo tempo acreditando nas provas que a ciência nos dá.

– Entretanto meteu-se um “A” na conversa com todo o direito:

De a a 11 de Julho de 2007 às 01:08

” a ciência realmente o que diz, é que existe explicação EXACTA para tudo”

a ciência não diz que existe explicação exacta para tudo!
Exemplos são a teoria cinético-molecular que recorre aos métodos estatísticos e o gato de Schrödinger que não é morto nem vivo…

“que os maiores cientistas do mundo, não só foram cientistas como religiosos”

alguns sim, outros não, e depois?

“Quantas vezes já nos aconteceu ouvir coisas do tipo: “Doente recuperou de uma doença que os médicos davam como certa como terminal. Médicos não encontram resposta para o sucedido”. “

Quando o doente quer viver, a medicina não é capaz de “ajudar”🙂

– Confessando não ter resposta para a tal “teoria cinético-molecular” respondi:

De Diogo Pereira a 11 de Julho de 2007 às 01:24

“a ciência não diz que existe explicação exacta para tudo!
Exemplos são a teoria cinético-molecular que recorre aos métodos estatísticos e o gato de Schrödinger que não é morto nem vivo…”

O gato de Schrödinger ou é morto ou é vivo.
Schrödinger apenas tentou mostrar o quanto a mecânica quântica está incompleta. Ou acreditas em mortos-vivos? É que a ciência não, apenas está incompleta nesse ponto.. e como disse no comentário anterior, seja religião, ciência, ainda há muito por descobrir e completar.

“alguns sim, outros não, e depois?”

E depois o que? Apenas citei este caso para fundamentar a minha ideia, de que a Religião e Ciência se podem completar.

“Quando o doente quer viver, a medicina não é capaz de “ajudar”.”

Sinceramente não percebi o que queres dizer com isto.